Mercado Central

Vinicius Pontes

         É comum que o visitante do Mercado Central seja assaltado assim que coloca o pé lá dentro. Seu nariz, boca, olhos e dedos são tomados de si e levados por uma infinidade de cores, sabores, cheiros e texturas diferentes. As pessoas não visitam o Mercado, elas o sentem. 

 

            As cores das pimentas e das flores, as texturas do artesanato de palha e de barro, os cheiros do tabaco e das especiarias. Cada passo dado é um sentido que lhe é tomado. Um canto de Goiás visitado. Um causo contado. 

 

          Essa imensidão de sentidos concentrado em um espaço tão pequeno pode deixar o visitante tonto e perdido com tanta informação. Mas quando ele se acostuma a tudo, cerra os olhos, aguça o nariz e apura o tato, cada centímetro quadrado do Mercado se torna um mundo surpreendente.

 

   O Mercado Central de Goiânia nasceu nos anos 1950, na Avenida Anhanguera, e só foi para a Rua Três, onde está até hoje, em 1986. A história do Mercado se confunde com a história da própria cidade, ele é um pequeno mostruário da cultura do estado, lá se encontra de tudo um pouco, o que o goiano quiser, no mercado tem.

 

  São 120 bancas que vendem frutas, artesanato, especiarias, fármacos, carnes, grãos, e uma infinidade de miudezas diferentes. Não é à toa que o mercado resiste ao surgimento de super e hipermercados. Aqui, o cliente só leva o que quer e na quantidade que deseja, ele sabe da procedência e conversa diretamente com o dono da mercadoria. Além do produto, daqui também se leva amizade, confiança e experiências para o resto da vida.

Flores
press to zoom
Bucha
press to zoom
Chapéu de palha
press to zoom
Feijões
press to zoom
Tabaco
press to zoom
Malagueta
press to zoom
Pimenta
press to zoom
Vasos de barro
press to zoom
Artesanato
press to zoom
1/1

Estas fotos foram produzidas dentro da disciplina de Fotojornalismo e orientadadas pela professora Carolina Dayer Paraguassú, em 2012.

 

#MercadoCentral #Goiânia #Fotografia #Fotojornalismo

Outras publicações

16.JPG