Por

SABRINA MONTEIRO GOMES

COMPOR

TAMENTO

Padrões de beleza e a influência da mídia

Olho

A insatisfação com o próprio corpo é cada vez mais frequente, principalmente em relação as mulheres. Os padrões impostos pela mídia aplicados com efetiva influência na sociedade fazem com que muitas pessoas se sintam infelizes consigo mesmas.


Mulheres sofrem com inúmeras cobranças... É preciso estar sempre linda, magra, impecável, perfeita e sorrindo em cima de um salto alto. Fora a venda da imagem de “corpo perfeito” fazendo homens e mulheres acreditarem que serão mais felizes se alcançarem tal protótipo, gerando em muitos, frustração, insegurança, sentimento de inferioridade e até depressão.

 

O que ocasiona esse tipo de comportamento? Todos sabem a ampla influência que a mídia tem sobre nós, e o quanto ela interfere no nosso comportamento, especialmente na mocidade. Essas influências midiáticas evidenciam indiretamente “defeitos” que possamos ter, portanto se há algo que nos incomoda, começamos a ver aquilo como um empecilho, acreditando que ninguém vai nos amar por aquilo. Logo queremos mudar a situação para nos sentirmos melhores.


É espantoso o elevado número de jovens que decidem recorrer ao bisturi. Entre 2008 e 2012, o número de cirurgias plásticas cresceu 141% entre pessoas de 14 a 18 anos de idade, segundo a pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Envolvidos com a intensa vontade de ter uma nova aparência, esquecem que a cirurgia plástica também tem seus riscos. Muitos até recorrem a produtos perigosos e proibidos pela ANVISA, perdendo o senso sobre os malefícios à saúde. Dependendo do procedimento, alguns geram até a morte.


Portanto, independente do que a sociedade diga, nunca alcançaremos essa “perfeição” que a mídia diz existir. Sempre haverá mudanças no meio de consumo para nos sentirmos descontentes e consumirmos cada vez mais, seja em relação ao corpo, ao estilo, e etc. Não podemos esquecer que a beleza vem de dentro para a fora, e não o contrário.

Confira também

© 2015-2016. Criado por Vinicius de Morais Pontes, sob orientação do profº Nilton José dos Reis Rocha. FIC/UFG.