Por

APARECIDA COSTA

MOVIMENTOS SOCIAIS

Luta Histórica

Olho

A história do Brasil foi de exclusão, os brancos privilegiados, os índios catequizados protegidos pelos jesuítas e os negros demonizados pelo pecado, porém o ultimo era uma mercadoria de muito valor.

 

Essa prole tão guerreira resistiu ao tempo, mas não aos maus zelos, comunidade persistente que luta pelos seus direitos, assim vivem as Comunidades Quilombolas. Sendo hoje a Comunidade Cavalcante a maior em Goiás, logo temos a de Monte Alegre, Teresina e a menos conhecida com 80 membros Comunidade Quilombola Jd. Cascata.

Sou um parágrafo. Clique aqui para adicionar e editar seu próprio texto. É fácil.

Diferente do que a estudante de jornalismo Yasmim Nogueira Almeida, 18 anos pensava o quilombo não é um lugar rústico, com a cozinha de fogão a lenha, casa de pau a pique e plantação para subsistência. Ao contrário disso o mundo evoluiu e os remanescentes do quilombo também.

 

A Fundação Palmares faz o reconhecimento desses povos e ampara socioeconomicamente essa população, que apesar de ser guerreira, ainda é paupérrima e carece de inclusão na sociedade.

 

Sou um parágrafo. Clique aqui para adicionar e editar seu próprio texto. É fácil.

As ações afirmativas nas universidades que veio para amenizar a discrepância da marginalidade que aos negros foram impostos, por meio de fazer-se concorrer com as pessoas de mesmo nível é de extrema importância. A necessidade de assistência não está só na educação, mas no mercado de trabalho, na saúde e moradia. Pensando nisso que a presidente do quilombo Jd. Cascata Lúcia Cavalcante juntamente com os moradores lutaram por 8 anos por uma moradia digna.

 

No início as famílias se apossaram de uma fazenda no pé da Serra das Areias em Aparecida de Goiânia, todos moravam em barracas de lona e madeira, após isso começou a união de forças, “não foi nada fácil”, disse a moradora Cleuza, mas hoje uma parceria feita entre governo federal, estadual e municipal fez um conjunto de casas modelos no bairro Jd. Del Fiore, em que estão alojadas as famílias desse quilombo.

 

A inclusão desses jovens à universidade ainda é irrisório e muito tem a ser feito, por isso a luta continua pelos direitos à igualdade e um futuro mais incluso para essa população.

Sou um parágrafo. Clique aqui para adicionar e editar seu próprio texto. É fácil.

Confira também

© 2015-2016. Criado por Vinicius de Morais Pontes, sob orientação do profº Nilton José dos Reis Rocha. FIC/UFG.